Travessia de Camburi à Brava: visitando uma das praias mais intocadas de São Sebastião

Travessia de Camburi à Brava: visitando uma das praias mais intocadas de São Sebastião

Gosto de surpresas. Logo que o stand up paddle entrou em minha vida, decidi que pisaria pela primeira vez na Praia Brava com o pranchão. A Brava é uma prainha de cerca de 500 metros entre Boiçucanga e Maresias, em São Sebastião. Não se chega lá de carro, apenas de barco ou por trilha, o que faz dela um lugar super preservado. Foi até agora a minha travessia mais longa na região e foi bem mais tranquila do que eu imaginava.

travessia praia brava são sebastião

Estava em Camburi com uma amiga, Tamires, em um feriado de outono presenteado por mar flat e tempo bom. Era apenas a segunda remada de Tamires em mar, então achei melhor ficar pela costa ao invés de ir para alguma ilha, assim, se ela tivesse alguma dificuldade, estaríamos sempre perto de praia.

Chequei a previsão das condições e decidi que remaríamos sentido Boiçucanga para evitar qualquer chance de pegar um vento contra na volta. Não havia previsão de vento forte, mas não queria arriscar. A Brava então surgiu naturalmente como nosso destino, mas combinamos de ir aos poucos, avaliando as nossas condições durante o caminho. Afinal, era uma distância considerável. Sem desvios, são cerca de 12 km no total, ida e volta, com alguns trechos de mar mexido.

travessia praia brava sao sebastiao 7

Saímos de manhã, por volta das 9h,  pelo rio de Camburi e fizemos duas paradas na ida, a primeira na prainha de Camburizinho (que fica no canto esquerdo de Camburizinho) e a segunda já no final de Boiçucanga, perto da ponta que vira para a Brava. Encontramos muitas tartarugas pelo caminho. Apesar de serem espécies em extinção, elas são bastante comuns pela região.

Atrevessando Boiçucanga, passamos por um grupo de pássaros sobrevoando um barco que devia estar cheio de peixe, uma explosão de vida e de sons. Encontramos também muitos atobás nesse trajeto, mergulhando na água para pescar.

travessia praia brava são sebastião

Quando paramos em Boiçucanga, não houve dúvida, havia energia e vontade de sobra para seguir viagem. Matamos uma barrinha de cereal, bebemos água e logo continuamos a remada. Um pouco adiante, Tamires avistou uma raia voadora, dando um pulo entre duas pedras na ponta mais extrema da praia – tomei com um sinal de que a nossa decisão de seguir estava certa.

Passando a ponta de Boiçucanga, a Brava demora um pouco para surgir. Depois de avistada, demora um pouco para chegar. É sem dúvida o trecho mais complicado do trajeto. A água é bastante agitada no paredão que fica antes da praia, então a coisa é segurar a ansiedade e pensar em uma remada por vez.

travessia praia brava são sebastião

travessia praia brava são sebastião

travessia praia brava sao sebastião

É um desafio justo para se chegar em um lugar reservado como a Brava – que, aliás, não estava nem um pouco brava. Havia umas poucas pessoas na praia e alguma lanchas nas proximidades. Fora de feriado, deve ser praticamente deserta (a não ser pelos surfistas, nos dias de onda). De resto, só o branco da areia e o verde da mata e do mar. No canto esquerdo da praia, adentrando a mata, existe uma mini cachoeira, onde aproveitamos para encher as nossas garrafinhas de água.

travessia praia brava são sebastião

No volta, fizemos apenas uma parada para descanso em Boiçucanga. Foram ao todo cerca de 5 horas e quase 15 km de remada. Foi bastante tempo para cobrir essa distância, mas o fato de ter checado a previsão do tempo e vento para o dia todo nos permitiu curtir todo o caminho sem pressa ou preocupação. O velho lema “devagar se vai longe” funcionou muito bem.

Trajeto: Camburi – Praia Brava
O que levei: um boné, uma GoPro e uma mochila saco com barrinhas de cereal, água (1 garrafinha para cada uma) e celular com capa à prova d’água (um repelente fez muita falta, os borrachudos não deram trégua)
Tempo: 5 horas
Distância: 15 km
Nível: intermediário

travessia praia brava são sebastião mapa

+ Veja aqui 8 animais que você pode encontrar remando de stand up paddle pelo litoral sudeste do Brasil. 

Thaís Viveiro

Thaís Viveiro é jornalista e praticante de stand up paddle. Está sempre atrás de dicas e experiências para evoluir na arte de remar em pé. Costuma remar no litoral norte de São Paulo.

  •  Ver todos os posts